29 de setembro de 2011

Carência...

A verdade não faz sentido, a grandeza do mundo me encolhe. Aquilo que provavelmente pedi e finalmente tive, veio, no entanto me deixar carente como uma criança que anda sozinha pela terra. Tão carente que só o amor de todo o universo por mim poderia me consolar e me cumular, só um tal amor que a própria célula-ovo das coisas vibrasse com o que estou chamando de um amor. Daquilo a que na verdade apenas chamo mas sem saber-lhe o nome.

Clarice Lispector

2 comentários:

  1. Olá Marina! O seu cabeçalho do blogue é um dos mais bonitos que vi por aí, na blogosfera.
    bjs.

    ResponderExcluir