26 de abril de 2012

Trago o mar em mim, no nome e na alma.


Certa vez, buscando conhecer a origem dos nomes, descobri que o nome Marina significa aquela que vem do mar. E não é o que o tal nome tem tudo a ver comigo, ou eu que teria a ver com ele? Enfim, o importante é que assim como o mar sou inconstante, indecisa, intensa. Ora venho, molho teus pés, trago conchas, peixes, algas, dentre tantas coisas que tenho em mim, mas logo em seguida te deixo, volto pro meu interior levando um pouco do que deixaram em minha orla. Minha maré ora é mansa, ora bruta, dependo do tempo, da lua, enfim, de tudo que me cerca, e qualquer tremor no meu mais profundo ser, é o suficiente para me fazer transbordar, às vezes causar um tsunami  que destrói o que estiver pela frente para depois voltar pro meu interior trazendo parte do que destruí comigo (e isso às vezes me polui mais do que imaginam).

Pra me conhecer de verdade é preciso mergulhar, e pra mergulhar é preciso navegar pro meu interior. Mas cuidado, não é todo mundo que suporta meus altos e baixos sem se enjoar, e estar dentro de mim durante uma tempestade exige muito esforço e prática de qualquer um. A menos q você tenha mergulhado, pois lá no fundo tudo parece mais calmo e a tempestade parece não fazer tanto estrago quanto na superfície  (mas não se esqueça que quanto mais fundo mais estranho são os seres que se encontram em mim).

Marina, nome que me faz trazer o mar pra dentro de mim, me faz ser um pouco do mar.

Eu também sei ser porto se precisar, posso ser seu sustento, sua diversão, mas caso queira se aprofundar, cuidado, pois pode não conseguir voltar, pois sei que sou traiçoeira às vezes e tenho o hábito de levar para longe, aqueles que sem experiência em mim adentram.

Em mim tem vida, muita vida. Tem vida até nos lugares mais escuros e frios, onde poucos conseguem chegar e por mais que você desbrave minhas águas, jamais me conhecerá por inteira, sempre trarei algo novo quando menos esperar (e nem sempre esse algo é bom).

Trago no fundo, bem lá no fundo algo como petróleo, escondido e que se não for retirado e tratado com o devido cuidado serve apenas para poluir, mas quando retirado e tratado da forma correta vale muito. Portanto cuidado com a forma que perfura minha alma ou você pode poluir tudo dentro de mim e com isso todo mundo sai perdendo, pois deixo de ser porto, de ser diversão e sustento, me perfurar da maneira errada pode matar muita coisa dentro de mim, inclusive você.

Sou misteriosa, indecifrável, ora venho ora vou... Sou de lua, ora recuo, ora transbordo. Mesmo sendo uma, posso ser completamente diferente, dependendo da onde me vê e de como me trata, mas a minha essência sempre será a mesma, água e sal (como as lágrimas). Trago em mim a intensidade das águas na praia e a calmaria do mar profundo.

Marina L.
25/04/12

Um comentário:

  1. Você mais uma vez me traduzindo! rs
    Adorei o post Má!
    beijo
    =)

    ResponderExcluir